Fale conosco pelo WhatsApp

Causas do sangramento nasal

Sangramento nasal
09jan, 2020

A epistaxe, caracterizada pelo sangramento nasal, é uma manifestação relativamente comum e que atinge pessoas de qualquer idade. A estimativa é de que mais da metade da população adulta já tenha passado por pelo menos um episódio de hemorragia ao longo da vida, o que pode estar associado a diferentes fatores.

Embora cause um grande desconforto, o sangramento nasal não costuma representar gravidade e muitas vezes pode ser resolvido de maneira simples, sem a necessidade de intervenção médica. Este geralmente é um problema autolimitado, em que o sangramento cessa sozinho após um tempo, mas existem casos em que pode ser necessária a realização de um procedimento. 

Tipos de sangramento do nariz

A hemorragia nasal pode ser classificada de acordo com o local de origem do sangramento. Os dois tipos de epistaxe, portanto, são:

  • Hemorragia nasal anterior: este é o tipo de sangramento mais comum (90% dos casos) e é originado na parte anterior do nariz;
  • Hemorragia nasal posterior: trata-se de uma manifestação menos comum e potencialmente mais severa, uma vez que envolve vasos sanguíneos maiores localizados na região posterior do nariz.

Causas da hemorragia nasal

O nariz sangra quando há rompimento dos vasos sanguíneos ou irritação do seu revestimento interno, duas situações que podem ocorrer por diversos motivos. As causas mais comuns de sangramento nasal são o ressecamento associado ao tempo seco e traumas como assoar ou cutucar o nariz com muita força. Alergias, desvio de septo, sinusite, uso frequente de sprays nasais ou drogas aspiráveis também podem levar à hemorragia.

Existem, ainda, alguns fatores menos comuns que podem causar sangramento do nariz. São eles:

  • Distúrbios hemorrágicos;
  • Tumores no nariz ou na região dos seios paranasais;
  • Infecções nasais;
  • Presença de objetos estranhos no nariz.

Quais sintomas acompanham o sangramento no nariz?

O sangramento nasal pode ser acompanhado de sintomas como:

  • Mal estar;
  • Tosse ou vômito com sangue;
  • Dificuldades respiratórias.
Sangramento no nariz
Imagem: Shutterstock

Sangramento nasal: tratamentos

A maioria dos sangramentos do nariz é autolimitada, ou some após a realização de manobras simples como aplicação de compressas de gelo, ou compressão digital do nariz. Ao contrário do que a crença popular diz, não é recomendado inclinar a cabeça para trás durante um episódio de hemorragia nasal — já que o sangue pode escorrer para a garganta. O ideal é se manter sentado, inclinar o corpo para a frente e respirar pela boca.

É necessário procurar ajuda médica especializada quando a epistaxe ocorre com frequência, ou quando ela não cessa após alguns minutos. Nesses casos, a hemorragia é um alerta de que há alguma alteração nas fossas nasais ou em alguma outra parte do organismo, e suas causas devem ser investigadas para garantir um diagnóstico precoce.

A conduta médica para tratar o sangramento nasal depende do seu tipo, gravidade e características: se for possível localizar o vaso sanguíneo causador da hemorragia, a cauterização pode ser realizada para sanar o problema. Quando esse método não é possível de ser aplicado, medidas como o tamponamento nasal e até mesmo intervenção cirúrgica podem ser consideradas, sendo esse último caso mais grave e com indicação de um otorrinolaringologista.

O tamponamento nasal é um procedimento que consiste em comprimir o ponto de sangramento por um período de 2 dias, interrompendo a hemorragia. Em casos selecionados o tratamento cirúrgico é realizado, sob anestesia geral e por videoendoscopia, com objetivo e cauterizar ou ocluir os vasos responsáveis pelo sangramento.

A Clínica Garrafa conta com uma equipe de profissionais altamente qualificados em otorrinolaringologia, a especialidade que diagnostica e cuida das condições que afetam nariz, ouvido e garganta. Entre em contato e tire suas dúvidas a respeito do sangramento nasal ou qualquer outro desconforto associado.

cta-820x140-garrafa-tratamento-para-desvio-de-septo

Fontes:

Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial;

Clínica Garrafa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *